Expedição da Equipe Zigurats liderada por Urandir vai ao México pesquisar a Civilização Maia 1002


Terceira expedição conheceu as ruínas maias na penísula mexicana de Yucatan e traçou paralelo com as Amazonas

A Expedição Brasil – Equipe Zigurats realizou sua terceira atividade no período de 15 a 21 de janeiro de 2010 na Península de Yucatan, Estado de Quintana Roo, no México, visitando as ruínas da civilização maia nas localidades de Chichén-Itzá, Tulum e Cobá. Participaram da terceira expedição 87 pessoas, entre elas seis da França, entre médicos, advogados, professores, geólogos, estudantes, ufólogos, empresários, etc.

Com o slogan “Revelando o passado para entender o futuro”, a terceira Expedição Brasil, a exemplo das duas realizadas à Amazônia em 2005, os trabalhos se focaram na pesquisa antropológica e arqueológica, desta vez estudando as civilizações pré-colombiana maia, tolteca e asteca e sua influência no momento atual vivenciado pela humanidade e sua ligação com o Brasil, principalmente no que se refere à lenda das “amazonas” que, segundo consta, viveram muitos anos em terras brasileiras com objetivos bem diferentes do que consta da crença popular.

Foram visitadas as ruínas maias de Chichén-Itzá, onde está a pirâmide de Ku-Kul-Kan (nome de um dos principais deuses maias, conhecido como “serpente emplumada”). Ku-Kul-Kan ou o templo das Amazonas (rainhas/sacerdotisas que dirigiam a civilização maia), representa o tempo, muito bem registrado em suas 18 plataformas, sendo 9 de cada lado da escada principal com o simbolismo da divisão do ano solar maia em 18 meses. A cada lado da escadaria principal há 26 baixos relevos, ou seja, 52 painéis por fachada que correspondem ao Ciclo Maia de 52 anos, uma parte do grande ciclo de 5.200 tuns (5.125 anos) entre os raios sincronizadores da galáxia central, período este que se encerra no equinócio de dezembro de 2012, para dar início a outro período de civilização.

Em Chichén-Itzá também foi visto “El Caracol”, um observatório construído há mil anos com a cúpula arrendondada idêntica aos atuais. A torre de El Caracol se assenta acima de quatro espirais, permitindo excelente visão do céu e da paisagem ao redor. Suas fendas ou “janelas” permitem a observação de Vênus, bem como o equinócio do por do sol. Os maias desenvolveram a aritmética de maneira que ela permitiu cálculos astronômicos com uma exatidão admirável. El Caracol foi cuidadosamente alinhado com os movimentos de Vênus.

A segunda visita foi a Tulum na Riviera Maia, também localizada na província de Quintana Roo, perto de Chichén-Itzá, com ruínas arqueológicas que são uma das mais importantes da região. Tulum tem na sua praia de areia branca e nos seus cenotes (poços naturais) como o de Angelica, o seu maravilhoso ambiente natural e seu principal patrimônio. A fundação desta cidade parece remontar ao ano 564 de acordo com algumas inscrições encontradas. No século XV chegaram os espanhóis e no século XVI ficou totalmente desabitada. Ali se encontra o farol que orientava a chegada dos navios maias por intermédio de um jogo de luz natural. Esta cidade era designada pelos maias pelo nome de Zamá, que significa cidade da aurora. Tulum é também uma palavra maia para barreira ou parede, o que se entende facilmente pois a cidade encontra-se rodeada de espessa muralha protetora. Tulum é o terceiro sítio arqueológico do México mais visitado.

A terceira parte da Expedição Brasil – Equipe Zigurats foi às ruínas da cidade da cidade de Cobá, que teve seu apogeu em torno do ano 650. A população de Cobá se utilizava do porto de Tulum para as trocas de mercadorias efetuadas na região. Cobá é uma grande cidade pré-colombiana em ruínas da civilização maia, localizada no Estado de Quintana Roo, Península de Iucatã no México. A maior parte da cidade foi construída em meados do período clássico da civilização maia, entre os anos de 500 e 900 da nossa era. Após 1000, a cidade perdeu importância política, ainda que pareça ter conservado a sua importância simbólica e ritual, que lhe permitiu recuperar certa hierarquia entre 1200 e 1500, quando se construíram diversos edifícios já dentro do estilo “costa oriental”.

Cobá tem como principal monumento a pirâmide de Nohoch Mul ou o “Castillo”, com 42 metros de altura. Possui um observatório astronómico, um campo de jogos para o denominado jogo da bola e uma pirâmide pequena logo na entrada da zona arqueológica.

Nesta localidade, situada dentro de um parque nacional, também foram pesquisadas diferentes estelas, localizadas em diferentes pontos, que corroboram a presença das rainhas (amazonas/sacerdotisas) governantes da civilização maia, que anos mais tarde misturou-se com os toltecas e astecas, sendo que a maior parte de sua população simplesmente desapareceu, deixando no ar um mistério sobre este desaparecimento, que está sendo estudado pela Expedição Brasil – Equipe Zigurats.

Urandir afirma que a expedição foi um total sucesso, foram coletadas muitas informações que estão auxiliando a traçar um paralelo da civilização Maia com a civilização das Amazonas. “Estamos desvendando detalhes importantes de civilizações ancestrais que auxiliarão a nos posicionar na linha evolucional” salienta Urandir.

fonte: http://www.urandirblog.com.br/